"R" de revolta ou "R" de revolução?

29 03 2006

Desde que entrei na FDL, nunca tinha sentido algo parecido com o que sinto actualmente. Os meus sentimentos são muito variados, vão desde a incompreensão, à desilusão, passando mesmo pela frustração. É triste ver pessoas pelas quais tenho grande apreço utilizarem golpes sujos para atingirem lugares mais altos, sem se aperceberem das consequências que os seus actos teriam (ou será que sabiam? Sinceramente prefiro acreditar que não). Ainda hoje estou para perceber quais os motivos que levaram a esta atitude, será que alguém me consegue explicar?
Onde pára o espírito de união tão defendido e aclamado no início? (estejas onde estiveres volta, estás perdoado!!!!)
Sinto-me desiludida porque vi um projecto em que acreditava e ao qual tinha orgulho em pertencer cair por água abaixo pela razão mais estúpida deste mundo. Actualmente a vergonha ocupou o lugar do orgulho. Sim vergonha, ela mesmo. Sinto vergonha por todos os que alinharam nisto e por presenciar cenas que nem lembram ao Diabo. Caramba!!! Será que as pessoas não sabem fazer as coisas civilizadamente, sem ser pelas costas? Não seria possível ter-se chegado a uma solução que agradasse a todos?
Tenho ponderado bastante sobre este assunto e ainda não consegui encontrar um único ponto positivo em tudo o que se passou. Uns saem derrotados e vêm tudo pelo que lutaram esvair-se em segundos, outros precipitam-se e dizem coisas que de certeza não foram pensadas. Resumindo, destrói-se a história de uma lista, acabam-se amizades, sucedem-se sentimentos de angústia e desilusão. Volto a perguntar, valeu a pena?
Resta-me apenas esperar que as coisas voltem a tomar o rumo que tinham no tempo em que cheguei à lista à qual me orgulhava de pertencer e que as pessoas responsáveis por tudo isto ponderem muito bem naquilo que fizeram e que lhes tenham servido de lição.
Quanto a mim…FUI…





Dia Internacional da Poesia

21 03 2006

Não podia deixar passar este dia, que representa um dos meus passatempos preferidos sem fazer referência aos meus três poetas preferidos e ao seu génio, deixando um poema de cada um deles. Eis os grandes mestres: Fernando Pessoa, Eugénio de Andrade e Al Berto.

Pequena elegia de Setembro

Não sei como vieste,
mas deve haver um caminho
para regressar da morte.

Estás sentada no jardim,
as mão no regaço cheias de doçura,
os olhos pousados nas últimas rosas
dos grandes e calmos dias de Setembro.

Que música escutas tão atentamente
que não dás por mim?
Que bosque, ou rio, ou mar?
Ou é dentro de ti
que tudo canta ainda?

Queria falar contigo,
dizer-te apenas que estou aqui,
mas tenho medo,
medo que toda a música cesse
e tu não possas olhar mais as rosas.
Medo de quebrar o fio
com que teces os dias sem memória.

Com que palavras
ou beijos ou lágrimas
se acordam os mortos sem os ferir,
sem os trazer a esta espuma negra
onde corpos e corpos se repetem,
parcimoniosamente, no meio de sombras?

Deixa-te estar assim,
ó cheia de doçura,
sentada, olhando as rosas,
e tão alheia
que nem dás por mim.

Eugénio de Andrade

Olhando o mar, sonho sem ter de quê

Olhando o mar, sonho sem ter de quê.
Nada no mar, salvo o ser mar, se vê.
Mas de se nada ver quanto a alma sonha!
De que me servem a verdade e a fé?

Ver claro! Quantos, que fatais erramos,
Em ruas ou em estradas ou sob ramos,
Temos esta certeza e sempre e em tudo
Sonhamos e sonhamos e sonhamos.

As árvores longínquas da floresta
Parecem, por longínquas, estar em festa.
Quanto acontece porque se não vê!
Mas do que há pouco ou não há o mesmo resta.

Se tive amores? Já não sei se os tive.
Quem ontem fui já hoje em mim não vive.
Bebe, que tudo é líquido e embriaga,
E a vida morre enquanto o ser revive.

Colhes rosas? Que colhes, se hão-de ser
Motivos coloridos de morrer?
Mas colhe rosas. Porque não colhê-las
Se te agrada e tudo é deixar de o haver?

Fernando Pessoa

Recado

Ouve-me
que o dia te seja limpo e
a cada esquina possas recolher
alimento suficiente para a tua morte.

Vai até onde ninguém te possa falar
ou reconhecer – vai por esse campo
de crateras extintas – vai por essa porta
de água tão vasta quanto a noite.

Deixa a árvore das cassiopeias cobrir-te
e as loucas aveias que o ácido enferrujou
erguerem-se na vertigem do voo – deixa
que o Outono traga os pássaros e as abelhas
para pernoitarem na doçura
do teu breve coração – ouve-me.

Que o dia te seja limpo
e para lá da pele constrói o arco de sal
a morada eterna – o mar por onde fugirá o etéreo visitante desta noite.

Não esqueças o navio carregado de lumes
de desejos em poeira – não esqueças o ouro
o marfim – os sessenta comprimidos letais
ao pequeno-almoço.

Al Berto





Da Weasel – Venha Lá O (money)

20 03 2006

Money , money , money – venha lá o money
Qual é a coisa , qual é a coisa , qual é a coisa , qual é ela ,
pela qual toda a gente se pela e atropela ?
A coisa pela qual as pessoas quase morrem ,
a coisa mais importante nos dias que hoje correm ?

Refrão:
Money , money , money -venha lá o money

O dinheiro – quando se fala sobre seja o que for ,
A primeira coisa a saber é qual o seu valor
Esse jogador é bom ? Não sei , quanto é que custou ?
Esse actor é bom ? Não sei , quanto é que cobrou ?

Refrão

Se um filme foi o mais caro na história do cinema
é garantido para os putos que vale bem a pena
O dinheiro tornou-se referência de quase tudo
E como diz o Vale Tudo , um escudo é um escudo

Refrão

Toda a gente pensa em dinheiro para isto e para aquilo
E quem não tem dinheiro não consegue estar tranquilo
Não traz felicidade , mas com dinheiro toda a gente muda
Não é felicidade mas na felicidade até ajuda

Refrão

Money is everything , como falou B.C.
A Teresinha só pensa em dinheiro como disse o Janelo e o Boss A .C.
Há quem diga que não faz falta , há quem diga que falta faz
Infelizmente , dinheiro é tudo e viver sem ele sou incapaz

Refrão

Esta é mais uma das grandes realidades que se vivem no nosso país, retratada por um dos melhores grupos portugueses do momento, os Da Weasel. Mas, como estava a dizer, a realidade é esta, em Portugal, toda a gente critca, mas poucos são os que agem. As pessoas conformam-se com facilidade e não procuram afirmar as suas posições, se um dos grandes poderosos diz mata, não há ninguém k tenha a coragem de dizer esfola. E, quanto ao tema da música – o dinheiro – passa-se precisamente a mesma coisa, todos dizem que o materialismo é algo que deve ser destruído, mas, paralelamente, a venda de automóveis de luxo aumenta quase 4 por cento e as pessoas tornam-se cada vez mais consumistas. Será que sou eu a ver mal, ou estas pessoas que se opõem contra o materialismo são as primeiras a praticá-lo?
Enfim, está na hora de agir. Já é tempo da minoria que tem coragem para mostrar a sua VERDADEIRA opinião se tornar numa gigantesca maioria e juntar esforços para transformar este mundo repleto de materialismo, egoísmo, egocentrismo, e desigualdade (desculpem lá, mas a minha inspiração do momento não me permitiu encontrar mais palavras acabadas em “ismo”), num mundo em que o que realmente interessa é a relação entre seres humanos, a solidariedade e a partilha.
VAMOS A ISSO!!!!!!!!!!!!





Ópera do Malandro

12 03 2006

Esta é, definitivamente uma peça a não perder, e acreditem, vale bem a pena levar três horas em pé (isto para kem comprar bilhete para as galerias do coliseu dos recreios em Lisboa). Desde as músicas,a história, à interpretação, não há um único defeito que eu consiga encontrar para esta magnífica obra-prima de Chico Buarque. Esta é uma peça em que é impossível não sentir vontade de dar um pézinho de dança, ou tamborilar com os dedos nos braços da cadeira, ao ritmo das animadas músicas que compõem o espectáculo onde predomina o bom-humor, mas também são tratados sentimentos como o amor e a traição. Não vos conto mais porque estaria a estragar a surpresa.
Apenas vos deixo algumas imagens e vos aconselho a não perderem uma oportunidade única de ver/rever, esta “homenagem à nata da malandragem”








8 de Março, Dia Internacional da Mulher

8 03 2006

Hoje é o dia internacional da mulher e, como não podia deixar de ser, gostava de deixar aqui algumas palavras (não muitas porque hoje a inspiração é pouca). As mulheres merecem ser lembradas, porque sem elas o mundo não seria o mesmo. Contudo, não consigo ceixar de me perguntar: nos dias de hoje, faz algum sentido haver um dia internacional da mulher? Não será essa uma forma de demonstrar discriminação entre sexos? Há uns dias atrás disseram-me algo com que concordo, a discriminação sexual na actualidade está muito menos presente no mundo de hoje que há uns séculos atrás. É óbvio que ao dizer isto me refiro essencialmente aos países ocidentais, não àqueles em que as mulheres são exploradas até ao limite pelos homens. É certo que ainda existem aquelas mentalidades raras que afirmam que o lugar da mulher é na cozinha e etc e tal. No quotidiano as mulheres vêm o seu papel cada vez mais valorizado, seja em termos profissionais, seja em termos sociais. A pouco e pouco vamos vendo mulheres a assumirem cargos de liderança nas empresas e cada vez mais mulheres formadas.
Estes são sinais que, finalmente, a luta pela igualdade de direitos e de sexos stá a ter resultados bastante positivos. Só espere que continue assim e a evoluir para um mundo cada vez mais igual e sem discriminações e
Estúpidas que só levam a concorrências injustas e desleais





Homens…

2 03 2006

Hoje, em conversa com um amigo meu, ele disse-me algo do género: “quando uma rapariga veste uma mini-saia é só para provocar os homens…”. Quando ouvi isto só me deu vontade de fazer duas coisas: 1º – matar o meu amigo ali mesmo, a sorte dele foi estarmos num local público e bastante movimentado senão….bom, passando à frente. 2º – gritar-lhe bem alto que os homens não são os unicos seres à face da terra e que as mulheres têm coisas muito mais interessantes para fazer que andar a provocá-los (isto falando na generalidade). Mas de certa forma até compreendo o meu amigo, é que os homens vivem num mundo tão fechado, tão fechado, mas tão fechado que não são capazes de pensar com o cérebro que se encontra dentro das suas cabeças. Será que eles não compreendem que nós, as mulheres temos formas muito mais fascinantes de os conquistar do que um top decotado e um cinto largo? Homens acordem para a vida de uma vez por todas, o mundo não gira à vossa volta, por isso deixem-se a desculpa de “ah, nós não temos a culpa, se ela se veste assim é para nos provocar”, para justificar a vossa necessidade constante de “correr atrás de um rabo de saias”. Não se justifica que uma rapariga não se vista da forma que mais gosta para evitar comentários do género: “ainda dizem que as flores não andam”, já para não falar de outros mais hilariantes como: “Tirava-te um bife!!!” (amigo, a menos que encontres uma canibal e que ela seja o amor da tua vida, essa táctica jamais resultará).
Sugiro a todas as mulheres que estão a ler este post que da próxima vez que virem um homem na rua lhe atirem o piropo mais original que encontrarem (por favor não utilizem o do bife!!!). Pode ser que assim os homens se apercebam das trsites figuras que fazem quando vêm uma mulher na rua (já para não falar das idas contra postes e caixotes do lixo causadas por falta de atenção à estrada).
É bom que os homens acordem para o mundo real e percebam que não é assim que se conkista uma mulher. Mas também não sou eu que o vou revelar, dêem uns dias de descanso ao cérebro colocado mais abaixo e comecem a usar os vossos neurónios, pode ser que assim as coisas mudem…ou não…